Igreja inicia o Tempo Quaresmal com a CF 2017

Laura, intérprete da Paróquia de São Francisco Xavier da Tijuca e Marilene da Paróquia da Porciúncula de São Francisco de Niterói. (Arquidiocese).
Intérpretes Católicos da Pastoral do Surdo fazem a 1ª reunião do ano na Mitra do Rio!
1 de março de 2017
articipação dos cegos e membros da Catequese Especial, na Catedral de São Sebastião. Coral das moças cegas ao lado e intérprete de LIBRAS.
Fórum Permanente apresenta seu Cronograma para 2017!
1 de março de 2017

Igreja inicia o Tempo Quaresmal com a CF 2017

No centro do desenho as letras CF que significam Campanha da Fraternidade. Há muitos elementos como a Flora e fauna no centro e há o ano em curso 2017. Ramos de florestas de todas as cores preenchem o desenho em formato de quadro.

Desenho livre sobre a Temática da CF 2017

“Inicialmente, os temas da Campanha da Fraternidade comtemplavam a vida interna da Igreja. A primeira etapa da CF, se podemos assim dizer, falava da renovação da Igreja e da renovação do cristão (nos anos 1964 até 1972). Na segunda etapa (nos anos 1973 até 1984), a Igreja se preocupa com a realidade social do povo, denunciando o pecado social e promovendo a justiça (Vaticano II, Medellín e Puebla). Na terceira fase (nos anos 1985 até o presente momento), a Igreja se volta para situações existenciais do povo brasileiro. A Campanha da Fraternidade acontece sempre no tempo forte da Quaresma, como já dito. Neste tempo litúrgico, a prática da esmola, da oração, do jejum, a conversão e a Campanha da Fraternidade tornam-se oportunidades de experimentar a espiritualidade pascal capaz de gerar, ao mesmo tempo, a conversão pessoal, comunitária e social. A Campanha da Fraternidade de 2017 se apresenta como um instrumento à disposição das comunidades cristãs e de todas as pessoas de boa vontade para enfrentar, com consciência. O lema da CF deste ano é: “Cultivar e guardar a criação” (Gn 2,15), com o tema: “Fraternidade: biomas brasileiros e defesa da vida”. “Um Bioma é um conjunto de vida (animal e vegetal) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, o que resulta em uma diversidade biológica própria”. (IBGE. Mapa de Biomas e de Vegetação, 2004. Disponível em: http://w.w.wibge.gov.br/home/presidencia/noticias/21052004biomashtml.shtm . Acesso em: 08/02/2017). Só no Brasil temos seis biomas: a Mata Atlântica, a Amazônia, o Cerrado, o Pantanal, a Caatinga e o Pampa. Nesses biomas vivem pessoas, povos, resultantes da imensa miscigenação brasileira. Podemos nos perguntar: mas por que estamos trabalhando este tema na Campanha da Fraternidade, se este tema está mais ligado às questões de Geografia e Biologia? Estamos trabalhando justamente este tema, pois ele fala da natureza, e natureza e meio ambiente são obras da criação. O tema da Campanha da Fraternidade deste ano está em grande consonância com a Carta Encíclica Laudato Si’. “A proposta ecológica do Papa é integral, entrelaçando todas as dimensões do ser humano com a natureza. Para ele, cada criatura tem sua mensagem, que precisa ser respeitada e entendida. Mas todas elas estão interligadas. Toda a Laudato Si’ é um hino de espanto maravilhado diante da natureza criada, que nos fala de Deus, que é um dom de Deus, da qual somos zeladores e cultivadores. O Papa Francisco também nos coloca diante dos desafios colossais enfrentados pela humanidade, que está em uma verdadeira encruzilhada, em uma mudança de época”. (Texto Base da Campanha da Fraternidade 2017, n.8).

O objetivo geral da Campanha da Fraternidade é cuidar da criação, de modo especial dos biomas brasileiros, dons de Deus, e promover relações fraternas com a vida e a cultura dos povos, à luz do Evangelho. Queremos, é claro, através da Campanha da Fraternidade, motivar a Igreja e a sociedade brasileira para que tenham maior atenção e cuidado com o meio ambiente. Cuidar do meio ambiente é cuidar das obras da criação. Assim, meus irmãos, vivamos bem a proposta da Campanha da Fraternidade 2017.

(Texto parcial do Cardeal Arcebispo Dom Orani João Tempesta). Site:  arqrio.org.br

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.